Estamos contratando, veja nossas vagas.

Blog

Transformação digital: o que o futuro reserva para o mercado e seus desafios

thumbnail_ed3dca77c470f4d3f2f91c4898772ed8_28-05-Transformacao-digital-o-que-o-futuro-reserva-para-o-mercado-e-seus-desafios-sem-sombra-1
Tecnologia

Transformação digital: o que o futuro reserva para o mercado e seus desafios

Hoje o Mercado vive em meio a sua transformação mais importante e desafiadora, sem precedentes em qualquer outro momento da história. A transformação digital é a grande fronteira que precisa ser cruzada para empresas que querem entrar no novo século de maneira competitiva.

Muito se discute sobre o assunto, e cada dia mais ele deixa de ser um conceito de jornais de administração e TI para se tornar um conceito corriqueiro em nosso dia a dia. Mas afinal, o que define a transformação digital e como fazer o chamado catch up tecnológico?

O que significa a transformação digital?

Tire um minuto para imaginar como alguns recursos foram definitivos para transformar a indústria e o mercado como os conhecemos: as máquinas à vapor diminuíram o uso de força bruta das máquinas, aumentando a produtividade das fábricas; o telefone criou uma comunicação instantânea entre setores, sucursais e grandes centros financeiros, e com isso explodiu o acesso à mesas de operações da bolsa.

Com a robótica, o salto foi ainda maior na automatização da indústria, e a internet, por sua vez, não só aumentou a agilidade das comunicações como também fundou um nicho novo e poderosíssimo de marketing.

Pode ser difícil explicar essa etapa da revolução na indústria e Mercado de maneira tão sintética e geral como nos referimos à outros períodos, através deste ou aquele objeto ou mecanismo. Isso porque a revolução digital trouxe um número muito grande de tecnologias e expandiu o horizonte para muitas outras.

Através dela, cada vez mais as empresas, serviços, a maneira como gerenciamos, nos comunicamos, vendemos, compramos, fazemos marketing e vivemos se tornam digitais. A transformação digital é a maneira de furar a bolha da crise atual nos mercados.

Podemos dizer que os principais responsáveis por esse salto são o Big Data, a inteligência artificial, a computação na nuvem, a Internet das Coisas, o Blockchain e a realidade aumentada. São estas as tecnologias que levaram a forma como fazemos as coisas para um novo patamar, e vamos discutir em detalhes cada uma delas.

Big Data

A cada ano o volume de dados gerados aumenta em 40%. Esse número é difícil de se imaginar, e ele só é possível graças à capacidade crescente dos setores de tecnologia da informação em captarem, tratarem e empregarem todas essas informações através de métricas que ajudam a melhorar diferentes aspectos:

A experiência do usuário: Os chamados algoritmos captam os padrões de comportamento dos usuários, o que permite personalizar a maneira como cada pessoa utiliza, desde suas redes sociais até as suas compras online e ainda mais quando pensamos no conceito de Internet das Coisas e como cada um interage com seu lar.

O business intelligence: cada vez mais os serviços são variados e algum deles é capaz de nos fisgar, isso porque a todo momento as empresas aprendem mais como nossos gostos: a indústria do cinema e dos games já cria produtos sob medida, calculados com grande precisão e distribuídos através da customização dos algoritmos.

O machine learning: a capacidade de a inteligência artificial aprender os procedimentos com a precisão e a naturalidade dos humanos depende da qualidade e da “observação” que ela faz de como nós interagimos com nossas ferramentas de trabalho.

Inteligência artificial

A inteligência artificial aprende “observando”, o que chamamos machine learning, alimentada por importantes volumes de dados. Graças a ela, cada vez mais nossos serviços se tornam inteligentes. As possibilidades de erro e acerto tradicionais das linhas de comando se tornam hiper complexas e preparadas.

A inteligência artificial cada dia mais é capaz de automatizar um grande volume de tarefas e ensinar de maneiras práticas muitas coisas aos seres humanos, desde a educação digital, que é uma importante tendência do futuro até a análise de cadeias complexas de produção e mercado.

Computação na Nuvem

A chamada “Nuvem” é um ambiente digital com alta complexidade de códigos, através dela é possível acessar arquivos e serviços sem que eles estejam “fisicamente” em nossos HDs ou celulares.

A Nuvem facilita o armazenamento de grandes volumes de dados com alta eficiência, o que faz muito bem para as políticas verdes de sustentabilidade, inclusive.

Internet das Coisas

A integração de nossos aparelhos tem poderosos efeitos: pode ajudar a automatizar atividades do lar e permite controlá-las a partir do celular assim como pode otimizar o fluxo urbano.

Tudo isso graças a sensores e a capacidade dos eletrônicos se conectarem entre si. A IoT (Internet of Things) pode medir a velocidade média de carros através dos celulares ou painéis e saber onde há um congestionamento, ou captar a umidade do ar e preparar avisos para chuvas e tufões e o seu lar pode ter sensores de movimento para discar automaticamente à polícia.

As possibilidade só aumentam na medida em que cada objeto do lar e da cidade, integrados, criam um volume colossal de dados que podem ajudar a aumentar a segurança e a eficiência de cada atividade.

Blockchain

Atualmente este sistema tem ganhado popularidade com moedas virtuais, com tecnologia descentralizada, capaz de oferecer redundância de segurança para usuários lançarem transações na rede.

A blockchain tem um futuro promissor quando pensamos na velocidade de demandas da indústria e do Mercado: um dado é lançado e logo validado por diversas partes diferentes. Tecnologias como as Govtechs já se aproximam dessa ideia, com automação que diminui consideravelmente a burocracia.

Realidade aumentada

Mais do que entretenimento, a realidade aumentada pode ser o futuro para visualizar atividades em tempo real de maneira precisa, o que poderia ser o futuro de cirurgias remotas e fiscalização de atividades, venda de produtos e muitas outras tarefas que ainda têm limitações no modelo remoto.

A transformação digital para empresas, na prática

Agora que pincelamos um pouco de cada uma das principais tecnologias no bojo desse processo, podemos falar um pouco de como muitas delas já são usadas nos dias de hoje:

Sistemas de Automação de Gestão

Os chamados Sistemas ERP (Enterprise Resource Planning) já estão disponíveis em diversas modalidades, personalizados para todos os segmentos do mercado. Com eles pequenas indústrias e distribuidoras conseguem organizar sua produção e seus despachos, e lojistas conseguem cadastrar a entrada de todos seus produtos a partir da automação dos dados.

O ERP cria uma espécie de mapeamento de todos os produtos, ajudando a facilitar a localização, alocação, prevenindo perdas e agilizando o processo de faturamento de produtos. Graças a sua alta escalabilidade, podem ser integrados a e-commerces, sistemas TEF (Transferência Eletrônica de Fundo) e plataformas de contabilidade digital.

Estão entre as grandes estrelas da base do Business Intelligence, permitindo que empresas de qualquer tamanho consigam ter um bom nível de organização, captação de dados e importantes recursos estatísticos para traçar estratégias com base nos próprios indicadores.

Contabilidade digital

Outro serviço que permitiu a inclusão de muitas PMEs em um novo patamar foi a contabilidade digital. A contabilidade tradicionalmente vinha repleta de custos administrativos um tanto quanto altos para quem está começando, mas a contabilidade digital trouxe justamente um modelo que diminui consideravelmente esses custos, tanto para quem quer montar um escritório como para quem quer ser assessorado.

Graças a recursos como a assinatura digital, um escritório pode realizar diversas autenticações de maneira remota, tudo regulamentado de acordo com a lei. Cada vez mais empresas podem estar em dia com o fisco de maneira prática e otimizada.

Arquivos em nuvem

Outra maneira de facilitar os procedimentos burocráticos e diminuir seus custos é otimizando o espaço físico, que é cada vez mais caro.

Com a computação na nuvem, a organização e gestão de documentos se tornou algo prático e seguro. Através de softwares é possível organizar seus arquivos por meio de permissões especiais, com criptografias pesadas para garantir a segurança e tudo isso em uma plataforma onde seus arquivos jamais serão perdidos.

Trabalho remoto

Com a soma de todas essas conveniências, o trabalho remoto tem se mostrado uma modalidade prática para muitos segmentos, especialmente em áreas administrativas e relacionadas à desenvolvimento, marketing e vendas.

É possível estar mais conectado a partir de casa do que de dentro do escritório, em muitas ocasiões. E isso traz uma diminuição em custos que é significativa, sem que a produtividade seja perdida.

A gestão remota do trabalho permite também que uma série de serviços seja terceirizada, o que diminui custos operacionais e aumenta a efetividade e variedade de processos dentro de uma empresa.

Terceirização de serviços

Esse é um dos aspectos mais importantes para a diversificação e o fim das barreiras de trabalho. Hoje os softwares já se tornaram produtos em si mesmos, o que é provado pelo tamanho e ascensão dos mercados relacionados à TI, análise, desenvolvimento e marketing.

Cada vez mais os valores se tornam acessíveis e a competitividade ganha contornos mais dinâmicos, permitindo que empresas com poucos recursos e grandes ideias se tornem grandes da noite para o dia, como é o caso das chamadas empresas “unicórnio”.

Marketing

O marketing sempre foi importante mas, mais do que nunca, graças a transformação digital, tornou-se algo vital e praticável, devido a variedade de plataformas digitais às quais os usuários têm acesso e que conseguem prezar pela qualidade de material, com menos distinção de quem paga mais para posicionar um conteúdo com visibilidade.

O futuro da transformação digital

A transformação digital guarda uma série de benefícios para o futuro em curto a médio prazo que transcendem o próprio mercado:

Aumento de oportunidades: com o fim das barreiras – não só físicas como sociais -, a criatividade vira um dos maiores capitais, e talentos surgirão todos os dias com ideias inovadoras, a mobilidade social vai crescer assim como a qualidade da disposição de trabalhos;
Automatização: A qualidade de empregos também se refere diretamente à variedade de novas modalidades que surgem, cada vez mais intelectualizadas e criativas. As profissões do futuro cada vez mais passam a ser o da gestão e criação, e a automatização aumenta a velocidade e a segurança do trabalho.
Organização: A redundância de segurança de processos também está diretamente ligada à qualidade da organização de tudo; desde os espaços físicos até os procedimentos, afinal, softwares podem cada vez mais facilitar serviços de auditoria;
Integração de setores e serviços: Com a Internet das Coisas, as fronteiras são cada vez menores entre os diferentes tipos de dispositivos, e cadeias complexas podem ser organizadas através de sistemas que simplifiquem cada vez mais as atividades processuais;
Personalização: a qualidade de nosso entretenimento é cada vez mais customizada para nossos gostos, e o perfil digital que criamos de nós ajuda em como cada serviço, propaganda ou produto se relaciona conosco, tendo cada vez mais facilidade de encontrar nosso espaço.

Nós da Clicksign somos apaixonados por pensar o futuro do Mercado, e temos os olhos sempre postos nas tendências e grandes discussões, e aqui no nosso blog você fica sempre por dentro das melhores dicas e ideias para transpor as grandes barreiras e levar seu empreendimento para a era da transformação digital!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *